62894388 @elapensatambem: Janeiro 2016

recent posts

28 de jan de 2016

Jed King, erros, pais ...

Uma das coisas que gosto muito de fazer no meu tempo livre é assistir filmes, e não qualquer filme não, tem que ser um bom filme! Hoje venho falar sobre um filme que assisti há algum tempo, The Song - even the wisest of man was a fool for love.
Este filme é baseado em Salomão e nos seus versos escrito em Cantares.
Não vou aqui fazer uma sinopse do filme mas sim falar sobre alguns pontos de reflexão.

- Um padrão destrutivo familiar: Jed King, nosso protagonista, cresceu em ambiente familiar muito complicado, seu pai e sua mãe tiveram relações extra conjugal, sua mãe engravidou e seu pai teve que assumir a paternidade, podemos dizer então que Jed King é fruto de um adultério.

- Herança paterna: Jed King, aprendeu com o seu pai a tocar e cantar, sim ele seguiu os passos do pai no que concerne a ser músico e a ser mulherengo também.
Fonte: https://blogavidaebela.wordpress.com

- Desorientado: Sim, nosso protagonista é totalmente desorientado, ele simplesmente assume o padrão de vida que o seu pai tinha e passa a seguir os mesmos passos, ou seja, começa a viver uma vida que não é a dele.

- Presa fácil: Já que o cara carrega nas costas um erro que não é dele, é claro que essa pessoa terá uma mente fraca,  ele é influenciado primeiro pela vida que seu pai levava, depois a fama e o sucesso. Jed King foi cara levado por sua ambição, consequentemente outras fraquezas são reveladas, nesse caso, a sua sexualidade desenfreada, e assim como o seu pai ele comete adultério.

Resumindo a ópera, não podemos basear as nossas vidas nos erros de outras pessoas, mesmo que sejas nossos pais. É importante saber perdoar, Jed King passou pelo que passou porque nunca perdoou os seu pai, essa revolta ficou guardada dentro dele e ela foi o motivo e o combustível para as decisões e comportamentos na sua vida, a ponto de achar que os seus erros eram genéticos.

Nossos pais erram como nós erramos , mas a decisão de como viver é nossa e não deles, eles devem ser exemplo, sim devem, mas se não, vale a pena ter uma vida cheia de problemas por causa disso?

Viva a sua vida, entenda que ninguém vive a vida de ninguém, essa vida é só sua então faça com ela o melhor que você puder.

Outras reflexões serão tiradas desse filme  e assim que possível estarei postando aqui para vocês.

Você irá encontrar esse filme com o título: Uma canção para ela.

14 de jan de 2016

Meu passeio ao Cristo Redentor.

Hello people, sei que não tenho postado muitas coisas por aqui, mas não esqueci de vocês não.
A dica de passeio hoje, é sobre um lugar maravilhoso rsrsrsrs isso aí, O Cristo Redentor. Como sempre estarei falando aqui sobre a minha experiência, porém existem outros meios e formas de se fazer um passeio ao Cristo Redentor.

Para começar, o passeio foi feito no dia das mães, é isso aí meu povo mamis não quer mais saber de presentinhos e almoço, o lance agora é passear. Por ser dia das mães o Cristo Redentor estava lotado não consegui uma foto legal do monumento sozinho rsrsrrs muitos figurantes.

O Cristo Redentor fica no Morro do Corcovado, localizado no Parque Nacional da Tijuca, subimos de Van  até o antigo Hotel Paineiras e de lá pegamos uma Van credenciada do Cristo Redentor.

Antes de chegar ao Cristo, fizemos uma parada ao Heliponto e ao Mirante Dona Marta.


A vista de lá é incrível.


De lá já é possível ver o Cristo Redentor.


Chegamos no Cristo já era na parte da tarde.


E é logico pude registrar várias fotos lindas.


A melhor foto do Cristo, que consegui.


A vista da lagoa.


E não podia faltar , a despedida do sol rsrsrsrs


Quando o nosso passeio terminou já era noite.

Até o próximo post.


Peguei a Van até o antigo Hotel Paineiras no mesmo lugar onde se pega o Trem para Corcovado:
Rua Cosme Velho, 513 | RJ.

Para saber mais sobre o acesso ao Cristo Redentor por Van, acesse Paineiras Corcovado.

Não vou colocar aqui o preço por que eles variam muito conforme a temporada e ano.

9 de jan de 2016

Correr, correr e correr.

As vezes a única coisas que queremos é isso, correr. Sentir o vento batendo no nosso corpo, deixar o coração acelerar o quanto quiser, não importa se ficaremos todos molhados de suor, precisamos chegar a exaustão, precisamos correr, precisamos sentir para não sentir mais.

Uma trilha, um caminho, o silêncio, uma colina e depois uma montanha, o Evereste quem sabe... correr.

Correr de tudo, para lugar nenhum, sem pensar em ninguém, sem aquela doce ilusão de que no fim haverá um arco íris, está disposto a pular, a agachar, a nadar, a gritar, a sorrir, a chorar, mas nunca está disposto a parar, correr...

Agitar a vida, agitar o mundo, agitar os pés, agitar o ar, o mar, a terra e mover tudo do seu lugar, colocar tudo de pernas para o alto, de cabeça para baixo , quebrar o que está inteiro, colocar fogo naquilo que não está queimando, e apagar o fogo daquilo que está queimado.

Não existe coerência nesse texto, se pensar bem nem todas as coisas são coerentes, não existe coerência na raiva, ela nem é concreta mas a danada nos faz gastar tanta energia...

Correr para esvaziar, correr para parar de lutar, correr porque estamos cansados, correr para o tempo passar mais rápido, correr para vida chegar no seu fim, correr para não ver, para não ouvir, para não respirar, correr para encontrar finalmente o fim!